Páginas

23 de outubro de 2011

HANNA

A máquina mortífera aqui tem 16 anos, é loira
e tem um rostinho angelical







Logo nos primeiros minutos do longa conhecemos a linda jovem Hanna e a sua capacidade de transformar-se rapidamente, de uma menina inocente com carinha de anjo para uma assassina treinada e super eficiente. É ela, a personagem que dá nome ao filme, o principal destaque do novo trabalho de Joe Wright, diretor de dramas como Orgulho e Preconceito e Desejo e Reparação, que resolveu se aventurar no gênero thriller de ação, e cá entre nós, se saiu surpreendentemente bem, já que esse filme é muito diferente dos anteriores.


"Não se engane com o meu lindo rostinho..."

Hanna (2011) tem como protagonista a linda e
talentosa Saoirse Ronan (Um Olhar do Paraíso) que como já disse, é a melhor coisa da fita, ela sabe ser uma garota doce e forte, ás vezes, e em outros momentos, é um “soldado” treinado dissimulado, tudo na medida certa.



Cate, fazendo a vilã que a gente adora odiar.

Com 16 anos, Hanna leva uma vida diferente d
as outras garotas de sua idade (ela se dá conta disso quando se depara com uma adolescente na sua fuga), desde pequena vive na floresta com seu pai Erik (Eric Bana), um ex agente da CIA que a treina para ser a “assassina perfeita” . Bom, ela não é assim tão fria e robótica, também é educada, aprende vários idiomas, sabe quantos músculos o beijo pode envolver por exemplo, porém, seu conhecimento sobre música é limitado e nunca tinha visto uma lâmpada antes, apesar de saber quem foi o pai da eletricidade. Depois que Hanna e seu pai saem da floresta, eles são perseguidos pela temível agente da CIA Marissa Wiegler, interpretada por Cate Blanchett, e nem é preciso dizer o quanto maravilhosa ela está.

Após a impressionante cena de fuga de uma agência da CIA, Hanna - tanto a garota quanto o filme - dá um tempo na ação para focar nas descobertas da protagonista sobre o mundo exterior. Ela conhece pessoas, lugares, e começa a si conhecer melhor, ela percebe também que as suas habilidades mortais não são algo tão comum assim. 


O longa fica um pouco monótono em sua metade, mas não compromete o resultado final. Wright mostra que sabe conduzir um filme de ação, fato este que pode ser exemplificado pelas ótimas cenas de lutas, muito bem coreografadas – a menina é um Jason Statham de saias, impressiona mesmo – e que com a ajuda da ótima trilha do The Chemical Brothers, deixa as cenas ainda mais intensas e empolgantes.
Hanna em ação. A melhor cena do filme

Hanna é uma película interessante, apesar de um roteiro nada original, mas devido ao talento do diretor e uma protagonista forte, o longa consegue se esquivar dos “lugares-comuns” dos filmes do gênero e consegue se sobressair graças também ao elenco, a trilha sonora e aos cenários peculiares, transformando Hanna em um filme imperfeito, mas que merece ser visto. Joe Wright deveria ser aventurar mais nesse gênero...

Como sou legal, confira aí um vídeo com uma das faixas da trilha sonora e imagens do longa.


Obs: O longa não passou nas salas de cinema do Brasil, foi direto para as locadoras. Então, já está nas prateleiras, corre lá, ou vai num site de download mais próximo.....

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...