Páginas

21 de junho de 2015

Só o melhor dos visionários Irmãos Wachowski!




Com a estreia da arrebatadora série Sense8, produção muito bem recebida pelo público e que marca as pazes de Lana e Andy Wachowski com o sucesso, resolvi listar as melhores obras dos irmãos visionários, pois a trajetória dos roteiristas e diretores não é calcada apenas por “insucessos” como aponta a mídia incansavelmente. Algumas produções, é verdade, foram fracassos de público e de crítica, mas nunca se deve dizer que suas obras são simplistas e preguiçosas, pelo contrário, sempre há algo visualmente espetacular, enredos intrigantes e complexos. 




Ligadas Pelo Desejo (1996): Antes de abalar a humanidade com Matrix, Lana e Andy lançaram esta pérola dos anos 90. Ligadas Pelo Desejo (Bound) é um suspense muito bem executado sobre duas lésbicas que planejam roubar a máfia e fugir com o dinheiro. Jennifer Tilly e Gina Gershon protagonizam o filme e algumas cenas tórridas de sexo. O longa foi aclamado pela crítica na época e abriu as portas para os cineastas em Hollywood. Se você não viu a obra, não tem desculpas, ASSISTA AQUI no You Tube o filme completo e dublado.



Matrix (1999): Não tem o que falar muito de Matrix, apenas que este filme revolucionou Hollywood e mudou a forma de fazer o cinema de ação. Matrix foi um divisor de águas na sétima arte e ainda continua influenciando obras fílmicas, séries de TV e por aí vai. A complexa obra-prima dos irmãos Wachowski mistura religião, filosofia e tecnologia e ainda nos presenteia com cenas de ação que nos surpreende até hoje, 16 anos após sua estreia.



Matrix Reloaded (2003): A continuação do filme estrelado por Keanu Reeves é ambiciosa e nos dá em grande escala tudo o que vimos em Matrix. As cenas de pancadaria são longuíssimas e digna dos melhores filmes de artes marciais. As cenas de ação são fenomenais – como a interminável sequência na rodovia. Tudo é mais e maior. Já a trama, só fica mais complicada. Como segunda parte de uma trilogia, não apresenta muitas respostas  acerca do conceito do que é a Matrix, mas diverte, enche os olhos e incita a massa cinzenta a funcionar. Revolutions, a última parte, estreou no mesmo ano, mas não empolgou muito, mesmo assim é uma trilogia obrigatória.




Speed Racer (2008): Depois de roteirizar o ótimo V de Vingança, os brothers comandaram este, que é o melhor “fracasso” cinematográfico da carreira dos Wachowskis. O público não “abraçou” o psicodélico filme do garoto Speed Racer, estrelado por Emile Hirsch e baseado em um famoso desenho animado.  As cores fortes, o estilo retrô e a narrativa inovadora, as cenas de corrida alucinantes espantaram o público. Ninguém estava esperando por tanta inovação. Uma pena. Gosto muito desse filme.



Sense8 (2015): A produção é da Netflix, mas não é menos ousado do que as outras obras cinematográficas de Lana e Andy Wachowski. Sense8 - crítica aqui foi filmada em oito cidades diferentes espalhadas pelo mundo e é a produção mais “pé no chão” da dupla. A ficção científica conta a história de oito pessoas que têm suas mentes conectadas, o que possibilita compartilhar entre eles emoções e habilidades. A série tem personagens cativantes, momentos memoráveis e traz de volta aquela liberdade criativa que tanto apreciamos nos talentosos irmãos. 


14 de junho de 2015

Sense8 - A incomparável e fascinante série dos Wachowski




Já é um fato. Sense8, nova série da Netflix, já pode ser considerada a redenção dos irmãos Andy e Lana Wachowski, que desde o fim da trilogia Matrix, vem colecionando desastres cinematográficos em termos de crítica e bilheteria, como o ruinzinho O Destino de Júpiter. Ousada, libertadora, intrigante e envolvente, Sense8 é incomparável e mostra que os diretores sabem construir uma história apoiada em personagens fortes sem precisar de pirotecnias e efeitos especiais, marca registrada da maioria de suas produções, além dos já citados acima, incluo ainda o morno A Viagem e o estonteante Speed Racer


Em se tratando dos Wachowski nada é tão simples assim, sempre em seus projetos há um pouco de rebeldia, um desejo de fazer algo inovador e de sempre superar um projeto anterior. Em Sense8, a ambição não está nos efeitos visuais, mas na múltipla narrativa, que envolve oito personagens, cada um deles em um canto do mundo e sem relação alguma. É claro que todos eles terão suas vidas unidas em algum momento, pois eles têm algo em comum. E aí reside o desafio dos cineastas, contar uma história ambientada em locações reais de diversas cidades ao redor do mundo. Imagine o trabalho de logística que tiveram.



Um ator mexicano que esconde um romance amoroso. Uma coreana executiva que luta vale tudo. Uma DJ islandesa. Um arrombador de cofres alemão. Uma indiana farmacêutica com o casamento arranjado. Um motorista de van e fã do Van Damme em Nairóbi. Um policial em Chicago. Uma transexual em São Francisco.  Todos eles são sensates, uma espécie evoluída de seres humanos que tem o dom de compartilhar sentimentos, lembranças e habilidades entre eles. 


Sense8, como se pode perceber, é uma série multicultural e uma das principais qualidades do seriado é a abordagem honesta e sem exageros de tantas culturas distintas. Não vou me ater à história, veja por si mesmo, mas digo que os oito personagens são apaixonantes e cada um deles tem uma história que nos envolve profundamente. Me encanta a trama da transexual Nomi e a caliente narrativa do astro de ação, Lito. 



Além dos Wachowski, que dirige a maioria dos 12 episódios da primeira temporada, os cineastas Tom Tykwer (Corra Lola, Corra) e James McTeigue (V de Vingança) também colaboram na direção. Com um roteiro dos irmãos em conjunto com J. Michael Straczynski (Guerra Mundial Z), Sense8 tem momentos inesquecíveis, alguns catárticos e violentos – como todas as sequências de luta que envolve Sun ou o motorista de Nairóbi, a cena de Lito “evocando” o Neo de Matrix numa cena destruidora de ação, outros incrivelmente picantes, como o sexo “grupal” entre alguns sensitivos e ainda há aqueles momentos emocionantes e inexplicáveis, como o karaokê coletivo com a música What´s Up, clássico da 4 Non Blondes - veja a cena abaixo - e o nascimento dos sensitivos ao som de uma ópera. 


Sense8 é ambiciosa e ao mesmo tempo simples, seu enredo flui de forma orgânica, sem reviravoltas grandiosas e incoerência. A questão principal aqui são os personagens, os assombros do passado, o medo do futuro desconhecido e incerto e a “descoberta” da necessidade de ajudar um ao outro.

Lito e Wolfgang: vai uma ajudinha ai?


O elenco é quase totalmente desconhecido, exceto por Naveen Andrews de Lost e Daryl Hannah de Kill Bill. Miguel Ángel Silvestre (Lito) foi visto em Os Amantes Passageiros; Doona Bae (Sun) esteve nos filmes A Viagem dos Wachowski e em O Hospedeiro; Aml Ameen (Capheus) participou de Maze Runner:Correr ou Morrer; Jamie Clayton (Nomi) esteve na série Transform Me; Tina Desai (a  inidiana Kala) atuou em O Exótico Hotel Marigold 1 e 2; Brian J. Smith (Will Gorski) tem o currículo mais extenso, participou de séries como Defiance, The Good Wife, Gossip Girl e SGU Stargate Universe; Tuppence Middleton (Riley) esteve em O Destino de Júpiter e O Jogo da Imitação; entre todos esses, o mais conhecido para mim é o alemão Max Rielmet (Wolfgang), eu já o tinha visto no intenso drama Queda Livre (Freier Fall),  no qual vive um romance homossexual tórrido.

 Os 8 "sensates"


Sense8 é perfeita, a melhor obra dos Wachowski em anos, digna de todo o reconhecimento da crítica e do público, é hora de nos esquecermos de todos os tropeços que os irmãos cometeram no passado, Lana e Andy reencontraram o tom e a “inspiração” na telinha. Acho que este é o momento deles darem um tempo das megaproduções cinematográficas. Por fim, a sensação que fica após ver toda a primeira temporada de Sense8 é que a série da Netflix é a materialização das ideias de seus criadores em sua forma mais pura e cristalina. 

Confira um dos grandes momentos da série:





NOTA: 10,0

Posts relacionados:


7 de junho de 2015

A Espiã Que Sabia De Menos






Quem acompanha o Cinemidade sabe que não se vê por aqui críticas de comédias, as razões são diversas. Primeiro, porque é um gênero muito desfavorecido de originalidade, segundo, porque eu não aprecio o humor do tipo pastelão, o que envolve a maioria das produções - odeio filmes de Adam Sandler e similares -  e prefiro comédias que possuam um humor mais irônico e inteligente, como os filmes do Paul Feig, diretor do ótimo Missão Madrinha de Casamento e do divertidíssimo A Espiã Que Sabia De Menos (Spy, 2015).


Depois do impressionante Kingsman: Serviço Secreto, A Espiã Que Sabia De Menos é mais um bem sucedido derivado do gênero de filmes de espionagem que estreou nos cinemas este ano. Esqueça as comédias de espionagem protagonizadas pelo Mr. Bean, Paul Feig eleva o nível e estabelece um humor que não subestima nossa inteligência, afiado e brinca com estereótipos sem ofender ninguém.

  Cooper em ação e disfarçada como uma boa agente

Melissa McCarthy – que faz a gente rir sem se esforçar muito – é a estrela da comédia que ainda traz um Jason Statham desbocado e hilário - acredite se quiser - um Jude Law  charmoso, como sempre, e Rose Byrne (Vizinhos, Sobrenatural) impagável na pele de uma bitch glamourosa e criminosa. E ainda tem a desconhecida Miranda Hart, roubando a cena como Nancy, a agente destrambelhada e amiga de Susan Cooper (McCarthy).


Na trama, Cooper é uma agente da CIA que trabalha no porão da agência auxiliando os agentes de campo nas missões ultra perigosas. Um dia, Susan torna-se a única esperança da agência para impedir que um ataque terrorista se concretize e então, ela recebe a missão e sai do porão para viver aventuras inimagináveis.

Uma dupla improvável e explosiva


A Espiã Que Sabia De Menos traz cenas de ação e de luta bem elaboradas e sem exageros, a história se desenvolve de forma fluída, as reviravoltas da trama não são incoerentes, o enredo prende o espectador até a improvável - mas aguardada, por mim ao menos - cena final e tem Melissa McCarthy dando o seu melhor em cada cena, cada diálogo. Os momentos em que Susan xinga sem piedade a personagem vilã de Rose Byrne para diminuir a sua moral, rendem boas  gargalhadas. Já no aguardo da sequência. Confira AQUI o trailer.


NOTA: 8,0
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...