Páginas

14 de junho de 2015

Sense8 - A incomparável e fascinante série dos Wachowski




Já é um fato. Sense8, nova série da Netflix, já pode ser considerada a redenção dos irmãos Andy e Lana Wachowski, que desde o fim da trilogia Matrix, vem colecionando desastres cinematográficos em termos de crítica e bilheteria, como o ruinzinho O Destino de Júpiter. Ousada, libertadora, intrigante e envolvente, Sense8 é incomparável e mostra que os diretores sabem construir uma história apoiada em personagens fortes sem precisar de pirotecnias e efeitos especiais, marca registrada da maioria de suas produções, além dos já citados acima, incluo ainda o morno A Viagem e o estonteante Speed Racer


Em se tratando dos Wachowski nada é tão simples assim, sempre em seus projetos há um pouco de rebeldia, um desejo de fazer algo inovador e de sempre superar um projeto anterior. Em Sense8, a ambição não está nos efeitos visuais, mas na múltipla narrativa, que envolve oito personagens, cada um deles em um canto do mundo e sem relação alguma. É claro que todos eles terão suas vidas unidas em algum momento, pois eles têm algo em comum. E aí reside o desafio dos cineastas, contar uma história ambientada em locações reais de diversas cidades ao redor do mundo. Imagine o trabalho de logística que tiveram.



Um ator mexicano que esconde um romance amoroso. Uma coreana executiva que luta vale tudo. Uma DJ islandesa. Um arrombador de cofres alemão. Uma indiana farmacêutica com o casamento arranjado. Um motorista de van e fã do Van Damme em Nairóbi. Um policial em Chicago. Uma transexual em São Francisco.  Todos eles são sensates, uma espécie evoluída de seres humanos que tem o dom de compartilhar sentimentos, lembranças e habilidades entre eles. 


Sense8, como se pode perceber, é uma série multicultural e uma das principais qualidades do seriado é a abordagem honesta e sem exageros de tantas culturas distintas. Não vou me ater à história, veja por si mesmo, mas digo que os oito personagens são apaixonantes e cada um deles tem uma história que nos envolve profundamente. Me encanta a trama da transexual Nomi e a caliente narrativa do astro de ação, Lito. 



Além dos Wachowski, que dirige a maioria dos 12 episódios da primeira temporada, os cineastas Tom Tykwer (Corra Lola, Corra) e James McTeigue (V de Vingança) também colaboram na direção. Com um roteiro dos irmãos em conjunto com J. Michael Straczynski (Guerra Mundial Z), Sense8 tem momentos inesquecíveis, alguns catárticos e violentos – como todas as sequências de luta que envolve Sun ou o motorista de Nairóbi, a cena de Lito “evocando” o Neo de Matrix numa cena destruidora de ação, outros incrivelmente picantes, como o sexo “grupal” entre alguns sensitivos e ainda há aqueles momentos emocionantes e inexplicáveis, como o karaokê coletivo com a música What´s Up, clássico da 4 Non Blondes - veja a cena abaixo - e o nascimento dos sensitivos ao som de uma ópera. 


Sense8 é ambiciosa e ao mesmo tempo simples, seu enredo flui de forma orgânica, sem reviravoltas grandiosas e incoerência. A questão principal aqui são os personagens, os assombros do passado, o medo do futuro desconhecido e incerto e a “descoberta” da necessidade de ajudar um ao outro.

Lito e Wolfgang: vai uma ajudinha ai?


O elenco é quase totalmente desconhecido, exceto por Naveen Andrews de Lost e Daryl Hannah de Kill Bill. Miguel Ángel Silvestre (Lito) foi visto em Os Amantes Passageiros; Doona Bae (Sun) esteve nos filmes A Viagem dos Wachowski e em O Hospedeiro; Aml Ameen (Capheus) participou de Maze Runner:Correr ou Morrer; Jamie Clayton (Nomi) esteve na série Transform Me; Tina Desai (a  inidiana Kala) atuou em O Exótico Hotel Marigold 1 e 2; Brian J. Smith (Will Gorski) tem o currículo mais extenso, participou de séries como Defiance, The Good Wife, Gossip Girl e SGU Stargate Universe; Tuppence Middleton (Riley) esteve em O Destino de Júpiter e O Jogo da Imitação; entre todos esses, o mais conhecido para mim é o alemão Max Rielmet (Wolfgang), eu já o tinha visto no intenso drama Queda Livre (Freier Fall),  no qual vive um romance homossexual tórrido.

 Os 8 "sensates"


Sense8 é perfeita, a melhor obra dos Wachowski em anos, digna de todo o reconhecimento da crítica e do público, é hora de nos esquecermos de todos os tropeços que os irmãos cometeram no passado, Lana e Andy reencontraram o tom e a “inspiração” na telinha. Acho que este é o momento deles darem um tempo das megaproduções cinematográficas. Por fim, a sensação que fica após ver toda a primeira temporada de Sense8 é que a série da Netflix é a materialização das ideias de seus criadores em sua forma mais pura e cristalina. 

Confira um dos grandes momentos da série:





NOTA: 10,0

Posts relacionados:


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...