Páginas

7 de fevereiro de 2012

ESPECIAL: Eu, o cinema, a Xuxa e algumas curiosidades!



 Aproveitando que hoje, dia 7 de fevereiro, é meu anivérsario (Eeeeeh), resolvi  fazer um post diferente, original, e um pouco pessoal, pois gostaria que vocês,   leitores, me conhecessem um pouco mais, principalmente em relação à influência que o cinema teve e têm na minha vida. Fiquem à vontade para comentar, xingar, me parabenizar, reclamar -  só não pode falar mal da Xuxa tá, brincadeira! Vamos lá.


7 filmes que marcaram minha vida

Super Xuxa contra o Baixo Astral (1989) – Minha primeira ida ao cinema – que emoção -  foi para ver esta produção nacional protagonizada por Xuxa e Sérgio Malandro.  Pois é, verdade, e não nego. A loira estava no auge, e como cresci vendo o Xou da Xuxa, não tinha como não vê-lo. É um bom filme, acreditem,  se comparado com as últimas produções da Xuxa, no qual pseudo-cantores  e dançarinas são recrutados apenas para disfarçar a história batida  e a falta de originalidade.


Conta Comigo (Stand By Me) – Este é um clássico da Sessão da Tarde. Aqui está o primeiro filme que me fez chorar, e  ainda me fez refletir sobre a vida e  as amizades, tudo isso ao som de Stand By Me, que toca nos créditos finais.




Contatos Imediatos do Terceiro Grau (1977) – Minha obsessão/interesse  por extraterrestres e por esse mundo da ficção científica, começou por causa desse filme do Spielberg. Até sonhei que eu tinha sido abduzido, rsrs. Na verdade, não tenho certeza de que foi um sonho, rrsrs, esquece!



Homens de Preto (1997) -  Aqui começa a minha paixão pela sétima arte. A mesma pessoa que me levou para ver aquele filme da Xuxa, também foi a responsável pelas  duas horas de diversão, garantida pelo Will Smith e Tommy Lee Jones.  Desde o Baixo Astral da Xuxa, eu só tinha ido ao cinema uma ou duas vezes no máximo. E foi assim, que teve  início o meu hábito de ir ao cinema nos fins de semana, depois, ou antes de passar no McDonald´s , claro.


Ben-Hur (1959) – O primeiro épico grandioso  que assisti. Apesar de ter sido feito nos anos 50, o filme não aparenta ter a idade que tem, e continua surpreendente. Confesso, não foi fácil ver esta produção que tem quase  4 horas de duração.





A Lenda do Cavaleiro sem Cabeça (1999) – Tim Burton é demais. E só me dei conta disso ao me deparar com o magnífico visual sombrio dado a esta obra. Aqui, eu comecei a prestar mais atenção na direção de arte, na fotografia dos longas,  além de admirar mais ainda o jeito bizarro e “gótico” de ser do Burton. 




Donnie Darko (2001)  – A complexidade da trama deste longa independente me fez buscar filmes mais cerebrais para ver, queria exercitar mais a mente né gente.  É, desde então, o filme que mais vi na vida, e  nunca me canso.





7 filmes favoritos (escolher apenas sete,  foi uma tarefa árdua.)



Na Natureza Selvagem (foto)
Matrix
Donnie Darko
Psicose
Billy Elliot
Scott Pilgrim contra o Mundo
O Labirinto do Fauno


7 filmes que odeio (por razões diversas)


Vanilla Sky
Encontro Marcado
Lua Nova – Saga Crepúsculo
Filmes de paródia (Espertalhões, Todo Mundo em Pânico 2, 3, 4...)
Filmes com Adam Sandler (com exceção de O Paizão)
Bad Boys 2
Batman & Robin


7 seriados maravilhosos e que influenciaram muito minha vida


Smallville
Arquivo X
Nip/Tuck
Lost
Taken
Doctor Who
The O.C


7 trilhas sonoras mais ouvidas


Across The Universe
Billy Elliot
Moulin Rouge
Corra Lola Corra
Quem Quer ser um Milionário?
Na Natureza Selvagem
Smallville

  
7 filmes que me fizeram chorar


O Senhor dos Anéis: o Retorno do Rei
À Espera de um Milagre
Conta Comigo
50% (50/50)
Na Natureza Selvagem
Milk – a voz da igualdade
Armageddon

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...